Sou grata

Quantos são os bebés, que vivem na fartura? Cujas mães, sem pensarem duas vezes, compram na farmácia vacinas que levam uma fatia do salário minimo nacional?

Desde que fui mãe, este pensamento assalta-me demasiadas vezes a ideia. Entre fraldas, toalhetes, leite, produtos de higiene, vacinas, vitaminas, fora as despesas normais de um lar, como sobrevivem estas famílias?

É nestas alturas que me deixo de m*rdas, que ponho os pés no chão, agradeço a Deus as bençãos que me/nos dá e tento simplificar. É que, pondo as coisas assim, em perspectiva, ajuda muito a simplificar. Nestas alturas, vai-se a frustração e fica a gratidão.

*AMG*